Qual o seu limite?

. 14 de marzo de 2018

Por Eliana Dutra

Vivemos a era da informação, que chega cada vez mais avassaladora devido ao avanço tecnológico, e do trabalho colaborativo. Este caracterizado pelo compartilhamento de ideias e atividades entre os membros da equipe com o objetivo de alcançar metas e aumentar a produtividade. Contudo, com esse estreitamento das relações interpessoais, os limites muitas vezes não são respeitados.

Com certeza você já passou ou presenciou uma situação no ambiente de trabalho, na qual se sentiu profundamente embaraçado, como por exemplo, quando um colega ou colaborador monopoliza a reunião com uma postura de “sabe-tudo” ou até mesmo fala mal dos seus pares. Mas, como dizer a ele que tal comportamento o incomoda e que seria interessante mudar?

Primeiro, é preciso entender que nem sempre o seu limite é igual ao do outro. Segundo a psicoterapeuta Katherine Crowley e a estrategista de negócios KathiElster, que desenvolveram um método prático para lidar com as pessoas difíceis e as situações complicadas no local de trabalho, o comportamento está ligado aos limites interpessoais diferentes. Eles demarcam o território emocional e psicológico, ambos invisíveis e consequentemente mais difíceis de serem compreendidos se não forem claramente definidos. Até porque a pessoa, em muitas ocasiões, pode nem perceber que passou da medida.

Logo, para abrir os olhos de alguém com esse perfil e fazer com que ela pare com o comportamento inconveniente, é inteligente adotar um discurso mais humanizado e menos acusatório. Como por exemplo, iniciando a conversa expondo como você se sente diante dessas situações e depois pedir que ele adote uma atitude a qual considera adequada. Percebe a diferença?

Não é simplesmente “apontar o dedo”, afirmando que o profissional possui uma postura arrogante ou até mesmo que causa intriga entre os colaboradores, pedindo com que ele pare. Até porque, ninguém muda ninguém, cada pessoa é responsável e tem o poder suficiente para mudar só a si mesmo. E você com uma atitude de acusação irá piorar o ambiente. Para manter o clima saudável é importante que este comportamento seja de “mão dupla”, valendo para ambos os lados, ou seja, se você pede a alguém que tenha limites e não invada o seu espaço, você também deve tomar cuidado de não avançar o espaço alheio. Caso contrário, você corre o risco dele ter que colocar um limite em você.

 

Eliana Dutra
CEO da ProFitCoach, Master Coach Certified pela ICF e Coordenadora do Grupo Nikaia

 

Uso de cookies

Este sitio web utiliza cookies para que usted tenga la mejor experiencia de usuario. Si continúa navegando está dando su consentimiento para la aceptación de las mencionadas cookies y la aceptación de nuestra política de cookies, pinche el enlace para mayor información.plugin cookies